quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Em meio a negociações, ministra desconversa sobre governo Dilma

Claudia Andrade


Direto de Cancún

Cotada para permanecer à frente do Ministério do Meio Ambiente no governo da presidente eleita Dilma Rousseff, Izabella Teixeira desconversa quando questionada sobre o tema. Em meio as negociações da 16ª Conferência do Clima das Nações Unidas (COP-16), a ministra usa o bom humor em sua resposta.
"Eu não discuto assuntos da alçada de presidente. A cotação está alta, mas eu não tenho IPO", disse na noite desta quarta-feira, usando a sigla em inglês para oferta pública inicial de ações de uma empresa na bolsa de valores.
O Brasil ganhou destaque na conferência ao ser escolhido para comandar, ao lado da Grã-Bretanha, as conversas sobre o ponto nevrálgico do encontro, a prorrogação do Protocolo de Kyoto, que expira em 2012.
Nesta quarta-feira, a ministra foi chamada para uma conversa com o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, e disse ter ouvido elogios sobre os resultados alcançados pelo Brasil, "em particular a vitória de Nagoya".
O encontro na cidade japonesa ocorreu em outubro deste ano e terminou com o reconhecimento do direito dos países sobre sua biodiversidade. O Brasil foi protagonista das negociações do acordo.
"Foi um encontro amigável e bastante significativo. Em nome do presidente Lula eu recebi as palavras do secretário-geral e transmitirei isso ao presidente na próxima semana. Tem aí mais um reconhecimento do Brasil no contexto global não só da paz, mas também dessas negociações ambientais, dessa nova ordem sobre o desenvolvimento sustentável no planeta".
           

terça-feira, 30 de novembro de 2010

DOAÇÕES DA ONG MEAM EM 2010.

A ONG MEAM neste mês de novembro visitou alguns amigos em busca de apoio para realização de doações de cestas básicas, sacolões e brinquedos aos irmãos menos favorecidos, às quais serão entregues neste mês de dezembro! Como é feito ao longo destes cinco anos de existência. Neste percurso tem se contado com os amigos da ONG MEAM, que são sempre os nossos parceiros: “Marcio Aurélio Lessa Aguiar, o Leco; Denisa Moveis, Direção Moadir Santana; Bigode Veículos; Fábrica de Doces Rocha Fidelense, Direção Paulinho; Marquinho da Quitanda; Compre Bem, Direção Genário; Posto do Edalmo, Direção Edalmo; Quitanda do Luiz na Destilaria, Direção de Luiz; Fidelense Peças e Acessórios; Amaro Corretor; Padaria Cezário, Nelson do Posto, Chalé da Mercearia, Torresmo Motos de São Fidélis, Associação Comercial”. As pessoas que ajudamos são menos favorecidas, que estão passando uma fase difícil, nesta época de paz, amor ao próximo e confraternização.

Poderíamos fazer mais, se outras pessoas fizessem o mesmo, no entanto, graças a Deus, ainda temos pessoas que pensam no próximo dividindo o pão com seus irmãos.

Sendo assim, eu Genilson de Souza Cabral nº 006, presidente da ONG MEAM, em nome de todos os integrantes desta organização, agradeço a todos, desejando um feliz natal e prospero ano novo!

Obs.: Se desejares fazer alguma doação, basta procurar na nossa sede: Av. Sete de Setembro, nº 156, Altos, Centro, São Fidélis – RJ, por Ferreira ou Genilson, ou Tel. (022) 9946-4220 ou 98754934, agradecemos sua colaboração.

Genilson de Souza Cabral nº 006
Presidente da ONG MEAM.

sábado, 6 de novembro de 2010

INEA MONITORA VAZAMENTO DE ÓLEO NO RIO PARAÍBA DO SUL

29/ 10/ 2010
Equipes de emergência do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), órgão executivo da Secretaria Estadual do Ambiente (SEA) estão fazendo o monitoramento do vazamento de óleo residual no Rio Paraíba do Sul. O vazamento aconteceu após um acidente entre uma carreta-tanque e um caminhão no quilômetro 272 da Rodovia Presidente Dutra, em Barra Mansa, por volta de 4h da manhã desta sexta-feira (29/10).
O acidente provocou o derramamento de cerca de 26 mil litros de óleo residual, proveniente da estação de efluentes líquidos da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), em Volta Redonda. O óleo escorreu pela canalização de águas pluviais para o córrego Cotiara e depois em direção ao Rio Paraíba do Sul, formando borras. Cerca de 5 mil litros foram contidos pelas equipes de emergência que chegaram ao local, com emprego de serragem.
Técnicos do Serviço de Operações de Emergências Ambientais (Sopea) do Inea estão sobrevoando a região para avaliar o percurso do óleo ao longo do rio.
Fonte:http://www.inea.rj.gov.br/noticias/noticia_dinamica1.asp?id_noticia=1029

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Operação Piracema 2010/2011


Por Redação JM1 em 30 de outubro de 2010 Inicia-se em 01 de novembro de 2010, com previsão de término em 28 de fevereiro de 2011, o período da Piracema, ocasião em que os peixes se deslocam em cardumes, rio acima, para se acasalarem e reproduzirem.O Instituto Estadual de Florestas (IEF) divulgou a Portaria nº 224, de 27 de outubro de 2010, regulamentando a atividade de pesca durante o período da piracema na Bacia Hidrográfica do Leste, no Estado de Minas Gerais, com o objetivo de assegurar a proteção à reprodução natural das espécies de peixes nativos em fase de procriação. Abaixo estão descritos os principais tópicos da portaria referenciada.
A pesca está proibida nas seguintes áreas:
- Nas lagoas marginais; e
- Até 1000 (um mil) metros a montante e a jusante das barragens de reservatórios de usinas hidrelétricas, cachoeiras e corredeiras.
- Até 300 metros dos demais barramentos;
- A menos de 500 metros da confluência do rio principal com seus afluentes e das saídas de esgotos urbanos;
- Nos cursos d’água, cuja lâmina d’água possua largura igual ou inferior a 20 metros, no momento da fiscalização;
- Em outros locais definidos pelo órgão ambiental estadual ou federal.
Está permitida, nos rios das Bacias Hidrográficas do Leste, apenas a pesca desembarcada, com a utilização de linha de mão, caniço, vara com molinete ou carretilha, com o uso de iscas naturais ou artificiais. Está autorizada a captura e o transporte somente de espécies não nativas (alóctones, exóticas e híbridos), tais como: pescada-do-piauí, tucunaré, tilápia, bagre-africano, apaiari, tambaqui, carpas, catfish, caranha preta ou pirapitinga ou pacu, pirambeba, piranha, caboge ou tamoatá, cachara, o híbrido tambacu e o camarão gigante da Malásia, com cota de 3 (três) kg mais um exemplar para a pesca profissional e amadora, por jornada de pesca.
Durante esse período, a Polícia Militar de Minas Gerais, por meio da 12ª Cia PM Independente de Meio Ambiente e Trânsito, desenvolverá atividades específicas, de caráter preventivo e repressivo. A fiscalização acontecerá nos estabelecimentos que comercializam pescado, nas rodovias e nos mananciais da região com potencial de pesca. Os militares realizarão patrulhamento ostensivo, garantindo o fiel cumprimento das regras estabelecidas para o período de defeso.
Outras informações podem ser obtidas através do site do Instituto Estadual de Florestas: www.ief.mg.gov.br ou nas sedes da Polícia Militar de Meio Ambiente da localidade.
A preservação da flora e fauna constitui ato indispensável à qualidade de vida de todos.
Fonte: http://www.jm1.com.br/2010/10/operacao-piracema-20102011/

Vai começar a piracema!

Durante quatro meses qualquer tipo de pesca estará proibida, com o intuito de preservar os nossos peixes e não destruir as espécies
Por: Diego Salomão
Publicado em: 10/2009
A pesca de qualquer tipo, seja esportiva ou profissional estará suspensa a partir do dia 1° de novembro até 28 de fevereiro de 2010. O motivo para tal medida é impedir que, durante a piracema, essas atividades interfiram na reprodução dos peixes. O desrespeito a essa regra implicará em multa que varia entre R$ 168,43 e R$ 1.684,35.
Segundo a Assessoria de Comunicação da 13ª Companhia Independente de Meio Ambiente e Trânsito, nesse período, os peixes nadam rio acima para se reproduzirem e, por isso, não podem ser pescados. O sargento Cláudio Mariano Barbosa lembrou que os depósitos, estoques, peixarias, frigoríficos e postos de venda deverão declarar seu produto ao Instituto Estadual de Florestas (IEF), até o segundo dia útil da piracema.
Mariano informou ainda que as fiscalizações terão caráter preventivo. “Buscaremos evitar que a piracema seja prejudicada fiscalizando tanto represas, rios e lagos quanto comércios e estoques”, avisou ele.
Fonte: http://revistapescaecompanhia.uol.com.br/noticias/noticias.aspx?c=2780

sábado, 28 de agosto de 2010

Herpes nas Ostras: O Último Sintoma do Aquecimento Global?

Novas cepas de herpes podem matar 80% de uma criação de ostras numa semana, afirmam os especialistas
Por Rachel Kaufman
Não se preocupe – herpes de ostras não é um efeito colateral resultante da ingestão da “comida do amor”. No entanto, o vírus mortal incurável está alarmando comunidades de pescadores na Europa, onde a doença parece estar se espalhando e pode se disseminar rapidamente com o aquecimento dos mares.
Em julho, testes em laboratórios detectaram pela primeira vez a presença desse tipo de herpes em ostras e mexilhões na Inglaterra.  O vírus já matou entre 20 e 100% das aeras de cultivo de ostras no Pacífico em 2008, 2009 e 2010, de acordo com o Instituto Francês de Pesquisas Sobre a Exploração dos Oceanos.
As razões para o surgimento desse herpes no Pacífico continuam sendo um mistério, embora o aquecimento global possa ter influenciado, especulam os especialistas.   Uma nova variedade denominada Ostreid hespesvirus permanece inerte até que a temperatura da água atinja 16 graus centigrados, o que nas águas da Inglaterra só acontece no pico do verão, de acordo com Kevin denham, do Instituto de Inspeção do governo britânico.
Com base nessa constatação, Tristan Renault, diretor do laboratório de genética e patologia do Instituto francês afirmou que o aquecimento global “pode ser uma explicação para o aparecimento desse tipo particular de vírus”.
Embora todas as variedades surjam de modificações no DNA, o herpes, que infecta variadas formas de vida, desde vacas até ostras e macacos, existem em grande variedade de espécies, cada uma com um conjunto específico de sintomas.  Entre os humanos, talvez a forma mais conhecida seja vírus denominado Herpes simplex, que é transmitido por contato próximo e se manifesta sob a forma de erupções orais e genitais.
O herpes Ostreid não infecta apenas ostras, mas também mexilhões, escalopes e outros moluscos, de acordo com Renault.
A infecção dessas espécies não é uma novidade para a ciência, mas em 2008 ocorreu, pela primeira vez, um elevado aumento da mortalidade na França, decorrente do surgimento de uma nova variedade do vírus.
Essa nova variedade ataca as ostras jovens durante o período de reprodução, quando os corpos dos moluscos estão concentrados na produção de esperma e ovas, e em decorrência não têm energia para manter o sistema imunológico.
The New Oyster Herpes
Herpes-infected shellfish aren't new to science, but in 2008—the first year a huge increase in mortality rates was detected in France—Ifremer detected a new variation of the virus.
Mas os OsHV-1 é também “uma variedade mais virulenta do que as até hoje identificadas”, afirmou Renault, enfatizando que ela é tão eficiente em matar os hospedeiros que ela pode destruir 80% de uma criação de ostras numa semana.  A taxa de mortalidade é apenas um indício externo de que alguma coisa está errada, já que o vírus da ostra não tem nenhum sintoma visível e só pode ser diagnosticado em laboratório.
Ainda que não haja transmissão para o ser humano, as ostras contaminadas não são seguras para o uso alimentar e essa é a grande preocupação da indústria que atua no cultivo.  Na cidade inglesa de Whitstable, onde as ostras são cultivadas há séculos, este foi o primeiro verão em que esse herpes atingiu gravemente a Inglaterra.
Fonte: National Geographic News

domingo, 8 de agosto de 2010

ENTENDA A DISCUSSÃO DO PRÉ-SAL

"Os royalties do petróleo devem beneficiar o conjunto do Brasil, mas estados produtores, como Rio e Espírito Santo, têm que ser preservados. Os novos devem ser ligados a investimentos. Vão beneficiar o conjunto do Brasil, mas devem ser mantidos no caso do Rio de Janeiro e do Espírito Santo. Senão, você liquida esses estados. A tradição no mundo inteiro é que os estados produtores tenham mais royalties". (Frase de um dos candidatos a Presidente)
Fonte: http://odia.terra.com.br/portal/brasil/eleicoes2010/html/2010/8/dilma_serra_e_marina_o_povo_pergunta_e_os_royalties_101688.html

A pergunta é: O que acontecerá com o Rio e demais estados? Todos falam de recursos, mas não mostram a utilização plausivel deste recurso até hoje! Não pensem nos candidatos, na hora de votar pensem no Meio Ambiente. Na Saúde, na Educação e na Segurança Pública de cada estado!